Wednesday, August 10, 2011

Para ministro, indústria brasileira tem de se adaptar a real forte

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, disse nesta quarta-feira que o real forte faz parte de uma realidade que não irá mudar no curto prazo e que o setor industrial precisa se adaptar a este cenário.

"O câmbio não vai mudar a curto prazo. O Brasil não vai voltar ao patamar de três e quatro anos atrás. O Brasil faz parte do time de países com moeda forte", afirmou o ministro, ao comentar a nova política industrial brasileira, em encontro com a imprensa estrangeira em São Paulo.
A valorização do real, que compromete a competitividade de produtos brasileiros no mercado internacional e facilita a entrada de importados, é uma das grandes queixas do empresariado.

Segundo o ministro, "os empresários que produzem hoje são os mesmos que produziam há 20 e 30 anos", tempos de moeda desvalorizada. Para Pimentel, a nova geração de líderes empresariais terá o real forte como parte do cotidiano e tratará o tema com maior naturalidade.

"Você não vê empresário francês e alemão reclamando do câmbio", disse o ministro, cobrando inovação no setor industrial brasileiro.
Segundo Pimentel, "a indústria brasileira não se atualizou" nas últimas décadas, por causa da instabilidade econômica vivida pelo país nas décadas de 1970 a 1990.
Pimentel reconheceu, no entanto, que o mundo vive um período de adversidades e que "a guerra cambial cria um ambiente de disputa comercial acirrada".

Impostos

Para Pimentel, a grande inovação da nova política industrial, chamada Brasil Maior, e lançada na terça-feira pela presidente Dilma Rousseff, é a desoneração da folha de pagamentos para os setores de confecções, calçados e artefatos, móveis e softwares até o fim de 2012.
Para o ministro, trata-se do início de um processo, indicando que mais setores devem ser incluídos no futuro. O setor de bens de capitais também continuará a ser beneficiado com a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).
"O Brasil não pode cobrar de quem está investido e empregando", disse Pimentel.

O ministro disse, no entanto, que não há mais espaço para renúncia fiscal do governo neste momento. Só com a desoneração desses setores o Tesouro deixará de arrecadar cerca de R$ 25 bilhões.
No dia do lançamento do plano, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, elogiou o pacote mais disse que é preciso mais.

"O plano é positivo, mas não será capaz de tirar a indústria do sufoco, porque persistem problemas a serem sanados, como o câmbio, os juros altos e a elevada carga tributária", disse Andrade, segundo comunicação oficial da CNI.

Protecionismo e inovação

Pimentel negou que a nova política industrial seja um pacote protecionista. Segundo o ministro, nenhuma medida tem relação com barreira tarifária.
As medidas da nova política industrial incluem ainda a preferência de compra, por parte do governo, de produtos nacionais com preço até 25% maior que similares estrangeiros, a fim de estimular a produção no país.




No comments:

Post a Comment

Postagens populares

New York Time

Copyright 2017 ©
Netvision SA and PlanetM
New York, New York, USA 10008
You can copy this content without permission but you must notify us via email.
Otherwise, it is illegal. All rights reserved worldwide
Updated by Carlos Vassallo

Visualizações de página do mês passado